terça-feira, 12 de agosto de 2014

Luc Moullet sobre A Mãe e a Puta de Jean Eustache


Luc Moullet:
"Ainda bloqueado pelo sistema econômico do cinema francês, Eustache passou muitos meses escrevendo A mãe e a puta. Estava obcecado por este projeto autobiográfico e sonhava constantemente com ele. Em 1971, sem fundos e sem outra coisa para fazer, ofereceu-se para montar meu filme Uma aventura de Billy the Kid. Frente à moviola, sem interromper a montagem, recitava o diálogo que havia escrito em seu grande caderno na noite anterior. O roteiro era uma série de conversações (um pouco como Rohmer), e estava testando-mo, tal como havia feito com outros, observando nossas relações aos paradoxos formulados por seu herói Alexandre, que seria vivido por Jean-Pierre Léaud. O que surgia era um tipo de anarquismo de direita, não muito distante ao das novelas de Céline. Não havia motivos ideológicos por trás de tudo isso, mas sim a necessidade própria de provocar de Eustache, e pelos fins de 68 é necessário dizer que o anarquismo de direita era bastante provocativo. Também era a vingança de Eustache contra um sistema cinematográfico que o havia excluído. O êxito de A mãe e a puta se apóia provavelmente  na necessidade de Eustache e Léaud de empreender este improvável trabalho de logorreia anti-conformista. Mas o filme também capturou a fala e particularmente as ações do período que seguiu 68 sem edulcorá-las. Poderia ser dito que a força do filme vem dessa mescla insolente de sentimentos de direita e esquerdismo sexual."

Texto completo disponível aqui.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...